Governo de Goiás

Superintendência de Vigilância em Saúde

Procure o que você precisa:
Segunda, 18 de Março de 2019
Hemovigilância

O QUE É HEMOVIGILÂNCIA?

Hemovigilância
é um conjunto de procedimentos para realizar o monitoramento das reações transfusionais resultantes do uso terapêutico de sangue e seus componentes, visando a melhoria da qualidade dos produtos e processos em hemoterapia e o aumento da segurança do paciente.

Hemovigilância é um sistema de avaliação e alerta, organizado com o objetivo de recolher e avaliar informações sobre os efeitos indesejáveis e/ou inesperados da utilização de hemocomponentes a fim de prevenir o aparecimento ou recorrência desses efeitos.

QUEM PARTICIPA DA HEMOVIGILÂNCIA?

Todos os serviços de hemoterapia, que realizam procedimentos integrantes do processo do ciclo de sangue, deverão se organizar para que tenham controle informatizado do processo do ciclo do sangue, da distribuição e da utilização da bolsa de sangue.

O QUE É INCIDENTE TRANSFUSIONAL OU REAÇÕES TRANSFUSIONAIS?

Reações transfusionais
são os eventos adversos resultantes do uso terapêutico de sangue e hemocomponentes.

Para implantação de um sistema de hemovigilância, deve-se estar atento à monitorização dos incidentes transfusionais imediatos e tardios.

Incidente transfusional imediato - aquele que ocorre durante a transfusão ou em até 24 h após.

Incidente transfusional tardio - aquele que ocorre após 24 h da transfusão realizada. Neste caso tem especial importância a transmissão de doenças por meio da transfusão de sangue.

O QUE NOTIFICAR?

A Notificação é feita a partir da identificação de reações transfusionais pelos serviços de saúde que realizam assistência hemoterápica. Tais reações devem ser notificadas e transformadas em informações que são utilizadas para identificar riscos e prevenir a ocorrência ou recorrência desses eventos adversos. É fundamental que os médicos responsáveis pela transfusão participem ativamente do processo de notificação.

COMO NOTIFICAR?

As notificações dos eventos adversos ao uso terapêutico de sangue e hemocomponentes, devem ser realizadas pelos profissionais de saúde vinculados à unidade de saúde onde foi realizada a transfusão sanguínea, sendo este estabelecimento devidamente cadastrado no sistema Notivisa.

IMPORTANTE!

É importante ressaltar que, a notificação compulsória de doenças transmitidas pelo sangue, ou a soroconversão de um doador e/ou receptor, para a coordenação de vigilância epidemiológica, permanecerá com o fluxo atual.

Outro aspecto fundamental para um sistema de hemovigilância é a garantia da rastreabilidade de um hemocomponente, ou seja, saber com precisão em quem foram transfundidos os hemocomponentes e quais hemocomponentes os pacientes transfundidos receberam.

A rastreabilidade permite que se realize tanto a investigação ascendente – do receptor ao doador – quanto a investigação descendente – do doador ao receptor.


OUTRAS NOTIFICAÇÕES

Para notificar queixas técnicas e eventos adversos referentes a medicamentos verifique o link com informações sobre Farmacovigilância.

Para notificar queixas técnicas e eventos adversos referentes à produtos para a saúde, verifique o link para Tecnovigilância.

Contato

Frederico Inácio e Souza
Paula Cicília Faquim Rodrigues
Marcia Lívia Marques Faria

Telefone: (62) 3201-3541

Avenida 136, Qd. F-44 Lts. 22 e 24, Edifício César Sebba, Setor Sul, CEP 74093-250 - Goiânia/GO

© Copyright 2012. Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento